Não confio no Bolsonaro para presidente, diz Weintraub

Abraham Weintraub (PMB), ex-ministro da Educação disse que “não confia mais em Bolsonaro para conduzir os rumos do país”. Afirmou que sua “desconfiança” do chefe do Executivo é resultante do alinhamento do governo com o Centrão. “Ele [Bolsonaro] está conduzindo o Brasil numa direção que vai para uma distopia”, afirmou.

Apesar das declarações, Weintraub disse que, entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), “é lógico” que optaria pelo atual presidente. O ex-ministro participou de uma sabatina do UOL nesta 3ª feira (3.mai.2022).

Formulário de cadastro

“Votaria em qualquer um, que não seja o Lula”, respondeu o pré-candidato. “Ele [Lula] tem algum grau de patologia, se tivesse um conflito o Lula cometeria crimes de guerra. Destruiu a vida de milhões de pessoas”, acrescentou.

Ao mencionar as ameaças que teria sofrido de Bolsonaro, o ex-ministro da Educação disse que recebeu “várias” do chefe do Executivo e de outros funcionários do governo, inclusive no período de Natal. Weintraub afirmou que com a movimentação da candidatura do ex-juiz Sergio Moro, Bolsonaro tentou se aproximar temendo que o “apoiasse” a campanha, com a desistência de ex-juiz“tom de ameaças voltou”, afirmou pré-candidato.

CRÍTICAS a JORNALISTAS

Durante a sabatina, o ex-ministro da Educação criticou as jornalistas Carolina Linhares e Fabíola Cidral, que conduziam a entrevista. Weintraub disse que as perguntas eram “desonestas intelectualmente”.

Leia a transcrição:

Carolina Linhares (Folha de S.Paulo): “O senhor perdeu o cargo, e foi investigado no STF por outras razões: ameaças, crimes contra segurança nacional. Estes também são mau-feitos, tão quanto a corrupção. Se for eleito, governador de São Paulo, continuará praticando crimes contras as instituições e praticando crimes contra democracia?”.

Abraham Weintraub: “Você considera essa sua pergunta honesta? Você constrói induzindo uma metalinguagem que cometi crimes. Fui investigado apenas, nem acusado eu fui. Até hoje não consigo ver daquilo que estão me acusando. Você criou a pergunta e respondeu, isso é de uma desonestidade intelectual gigantesca. Sei que faz parte desse meio para construir essa narrativa”.

Fabíola Cidral: “Quando o senhor disse, naquela reunião, que os ministros do STF eram vagabundos e afirmou que colocaria todos na cadeia. Queria entender, o senhor ainda pensa assim? Estamos em meio uma crise entre o Planalto e o STF”.

Abraham Weintraub: “Tudo que falei não foi exatamente como você disse. Eu disse isso em uma reunião fechada, em um momento que estavam trazer para dentro do governo esses grupos, e então sinalizei para praças dos 3 poderes. Agora, se eu afirmar isso novamente em um veículo público terei complicações legais e vocês sabem disso. Novamente, acho de uma desonestidade intelectual me fazer pergunta que pode me tirar da eleição”.

Essa reportagem foi produzida pelo estagiário de Jornalismo Caio Crisóstomo sob a supervisão do editor Matheus Alleoni.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *